Budismo – Um Roteiro para uma forma de Meditação. Por Luis Fernando Amstalden

Posted on 26 de agosto de 2012 por

1



Encerrando a série sobre Budismo, dentro do tema “Pensamento Oriental” publico aqui o roteiro de uma das práticas de meditação budistas que considero mais interessante, a Metta Bhavana, a Meditação da Paz Universal. Independente de sua crença,  Metta Bhavana é uma prática que traz uma grande tranquilidade psicológica, além de um exercício de perdão para aqueles que nos ofenderam e de compaixão para aqueles que tememos e não aceitamos. A compaixão combate o temor e o ódio, uma vez que odiar é, muitas vezes, uma reação ao medo.

O texto começa com um discurso introdutório, que o praticante deve ler em silêncio, mas pausadamente, ou, se preferir, pronunciar em voz baixa as palavras. É importante que se esteja bem atento às palavras, compreendendo bem o significado delas e não as pronunciando mecanicamente.

Se você tem já alguma prática e/ou flexibilidade, pode se sentar na posição do lótus ou do “semi lótus”, com as pernas cruzadas e os tornozelos sobre as coxas da perna oposta. Caso contrário pode se sentar em uma cadeira mesmo, com as pernas apoiadas no chão. O importante é manter a coluna reta e controlar a respiração. Respire calmamente e, na segunda parte da meditação, quando tiver que mentalizar as pessoas e grupos, tente sincronizar as falas com a respiração. A cada frase de “que haja saúde, que haja paz e que haja felicidade”, tente fazer uma inspiração. Na repetição seguinte, expire.

A respiração, por sua vez, deve ser feita distendendo o diafragma e, para isso, é preciso distender o abdômen, relaxando a barriga a cada inspiração e a forçando levemente na expiração. Obviamente nesta fase de sincronizar respiração e as frases, deve-se simplesmente lê-las e pronunciá-las em silêncio. No mais, se você achar difícil, insista. Eu próprio tenho muita dificuldade com alguns trechos, mas posso lhe garantir que a prática trará a facilidade e, acredite, pode lhe trazer muita felicidade também.

METTA BHAVANA

Assim foi dito por Buda, o Iluminado:

 

O ódio não se destrói pelo ódio, destrói-se o ódio pelo Amor, esta é uma verdade eterna.

 

Que eu seja feliz. Que eu possa me libertar de todo sofrimento. Que eu tenha saúde perfeita. Que eu possa superar todos os meus defeitos. Que eu possa purificar a minha mente. Que eu seja feliz.

 

Que eu possa superar a cobiça e a raiva; a dor e o lamento; a opressão e a ansiedade; a angústia e a inimizade; oh! que a felicidade tome conta de mim!

 

Que eu possa desenvolver o Amor Universal: a bondade amorosa a todos os seres, a boa vontade e a não violência, a equanimidade, a paciência e o contentamento.

Que a felicidade tome conta de mim!

 

Que eu possa ultrapassar a decadência e a morte e me libertar da tristeza e lamentação, dor, pesar, ressentimento e desespero.

 

Que eu possa evitar o mal, fazer apenas o bem e purificar a minha mente, pois este é o conselho de todos os Budas.

 

Aquele que se esforça em fazer o bem e que deseja atingir o estado de tranqüilidade, deve agir assim: deve ser hábil, correto, obediente, gentil e humilde. Alegre, fácil de contentar, que não se deixe afetar pelos assuntos mundanos, controlado em seus sentidos, discreto, não impudente e não demasiadamente apegado à família. Que nada faça que seja mesquinho e evite cometer o mais leve erro que os sábios possam censurar. Que todos os seres sejam felizes. Que estejam ditosos e em segurança.

 

Onde existir um sopro de vida, seja fraco ou forte, grande, médio ou pequeno, visível ou invisível, próximo ou longínquo, nascido ou por nascer, que todos estes seres estejam em segurança e felizes e possam por fim atingir a plena tranqüilidade.

 

Que ninguém decepcione o seu próximo, nem despreze um ser mínimo que seja; que ninguém por cólera ou ódio deseje mal a outrem.

 

Assim como a mãe, que protegeria o seu único filho, mesmo com o risco da própria vida, da mesma forma, cultivemos um infinito amor a todos os seres.

 

Que cultivemos o Amor Universal e o projetemos em todas as direções do mundo, acima, abaixo e à volta, sem limite, com bondade amorosa e benevolência infinita a amigos, estranhos e inimigos.

 

Quando de pé, andando, sentados ou deitados, durante todo o tempo em que estivermos acordados, deveremos desenvolver a plena atenção e o amor universal. Isto, dizem, é a mais elevada conduta aqui.

 

Que não abracemos errôneos pontos de vista; virtuosos e dotados de introspecção, desta maneira superaremos o apego aos desejos dos sentidos.

 

Verdadeiramente, a felicidade será para sempre o meu destino.

 

Verdadeiramente, a felicidade será para sempre o meu destino.

 

Verdadeiramente, a felicidade será para sempre o meu destino.

 

 

                                                                      PARTE II

 

1) Mentalize uma pessoa à nossa frente e afirme (mentalmente) várias vezes: Que haja saúde. Que haja paz. Que haja felicidade.

 

2) Mentalize duas pessoas à nossa frente e afirme (mentalmente) várias vezes: Que haja saúde. Que haja paz. Que haja felicidade.

 

3) Mentalize duas, três, quatro, cinco pessoas à nossa frente com as mesmas afirmações: Que haja saúde. Que haja paz. Que haja felicidade.

 

4) Mentalize toda a nossa família à nossa volta e afirme: Que haja saúde. Que haja paz. Que haja felicidade.

 

5) Todos os parentes, amigos, vizinhos e colegas e afirme: Que haja saúde. Que haja paz. Que haja felicidade.

 

6) Mentalize uma pessoa que, por ventura, nós não gostemos dela, ou que esta pessoa não goste de nós, e afirme várias vezes: Que haja saúde. Que haja paz. Que haja felicidade.

 

7) Devemos imaginar todas as pessoas do mundo que estejam feridas, doentes nos hospitais ou nas suas próprias casas, e vibrar com saúde, amor para estas pessoas afirmando várias vezes:

Que haja saúde. Que haja paz. Que haja felicidade.

 

8) Imaginemos todas as pessoas que por um, ou outro motivo estejam presas nas cadeias em qualquer país deste mundo e vibremos em amor para estas pessoas: Que haja saúde. Que haja paz. Que haja felicidade.

 

9) Aumentemos cada vez mais o grupo a nossa volta e devemos perder a individualidade das pessoas.

 

10) Imagine que toda a humanidade esteja à nossa volta, à frente e atrás, à esquerda e à direita – deveremos vibrar em amor, afirmando: Felicidade, felicidade, felicidade…(apenas com a palavra felicidade mas tendo em mente saúde e paz também).

 

11) Imagine que todos os seres vivos estejam à nossa volta.

 

12) Imagine que todos os seres de outros planos de existência, de outras faixas vibratórias estejam também à nossa volta, acima e abaixo e deveremos vibrar com Amor universal, sentindo que as vibrações estejam saindo do nosso ser para todas as direções e confins do Universo, afirmando várias vezes: Que haja saúde. Que haja paz. Que haja felicidade.

 

                                                          AFIRMAÇÕES FINAIS

 

Que todos os seres que estejam em sofrimento, possam se libertar do seu sofrimento.

 

Que todos os seres que estejam com medo, possam se libertar do seu temor.

 

Que todos os seres que estejam em lamentos, possam se libertar da sua lamentação.

 

Pela realização destas aspirações, que todos os seres, sem nenhuma exceção, possam se sentir seguros e muito felizes.

 

Paz para todos.

Posted in: Artigos